Guia de Eventos de Setúbal

A sua pesquisa não obteve nenhum resultado
pessoa “Corria para ganhar, não para marcas” Armando Aldegalega março 2020

Armando Aldegalega é a prova de que o atletismo não tem idade. Corre desde que se lembra, mas a competição só chegou aos 18 anos. Uma vida com mais de seis décadas de corrida, repleta de títulos e recordes. Já não compete. Mas treina. Seis dias por semana. E dá treinos. Tem 82 anos. E não pensa em parar. “Não estou reformado. Estou em stand by.” O tempo de corrida para ganhar já lá ...

pessoa "Adoro tudo o que é tradicional" Pedro Marques janeiro 2020

Pedro Marques atirou-se para o mundo do trabalho tão novo que o pai teve de assinar uma autorização para que saísse de Setúbal, rumo às Caldas da Rainha, onde o esperava o início de uma carreira profissional ligada ao mundo da soldadura.Aventurou-se, mais tarde, na área da robótica e em trabalhos temporários em plataformas de petróleo. Andou pelo mundo, sem nunca tirar as raízes de Setúbal e é ...

pessoa “Gosto de transmitir aos outros o que sei” Isabel Curto Castan novembro 2019

O orgulho na forma como recorda o pai, Orlando Curto, é indisfarçável nas palavras e no rosto de Isabel Curto Castan. É em homenagem ao antigo presidente da Câmara Municipal de Setúbal, falecido em 2013, que tenta levar mais longe o nome de Setúbal e fazer vingar a arte efémera, uma grande paixão à qual dedica, atualmente, a sua vida. “Se a arte efémera se tornar uma tradição na cidade vai ...

pessoa “No mar não há garantias de nada” Daniel Ferreira setembro 2019

O rosto marcado pelo sol e as mãos talhadas pelas redes e os artefactos de pesca denunciam-lhe a profissão. Daniel Ferreira, também conhecido como Daniel Panal, filho do antigo pescador João Carlos Ferreira, tem no sangue a tradição setubalense ligada à pesca. Não nasceu do mar, mas o mar está-lhe na essência. “São raízes familiares. Segui os passos do meu pai e do meu tio. Fui praticamente arrastado ...

pessoa “Em música vale tudo” Renato Sousa julho 2019

Com 11, 12 anos, “coisa desse género”, começou a tocar guitarra clássica e nunca mais abandonou a música. Não só não a abandonou, como abraçou-a como poucos. Renato Sousa é eclético, em toda a magnitude que o adjetivo permita. O conjunto de bossa nova com que atua agora poucas semelhanças terá – para não dizer nenhumas – com a banda “da pesada” em que tocou quando ...