Guia de Eventos de Setúbal

cidade

Património a salvo

março 2020

O coro alto da igreja do Convento de Jesus passou décadas a precisar de restauro. Brevemente, este espaço conventual é devolvido à cidade e a quem a visita com um brilho majestoso, graças a uma intervenção impressionante

 

O Coro Alto, uma das relíquias do património arquitetónico e artístico do Convento de Jesus, pode ser visitada a partir de 16 de maio, a tempo das festividades do Dia Internacional dos Museus, depois de um restauro profundo.

Terá sido a partir desta sala de oração que as noviças passavam pelo habitual escrutínio de entrada no convento.

Uma janela gradeada, símbolo da clausura em que viviam as freiras clarissas, reflete uma das características mais singulares desta sala. Abria-se apenas em horas canónicas, missas, pregações, visitas de prelados e eleições e fora destas cerimónias, mantinha-se fechada e as chaves guardadas religiosamente por uma sacristã e por uma abadessa.

O Coro Alto não escapou à passagem do tempo. Algumas peças perderam-se para sempre, a estabilidade da estrutura estava altamente comprometida e os inúmeros azulejos que a ornamentam em mau estado.

Depois de desmontados e tratados, um a um, foi preciso marcá-los para que, na recolocação, todo o puzzle batesse certo. Imagine-se, portanto, o desafio da equipa de mais de duas dezenas de pessoas responsável por salvar mais de 500 anos de História.

Além do revestimento de azulejos, houve outras peças recuperadas, caso de seis oratórios, dois relicários datados do século XVII, com bustos de santos, um retábulo protobarroco com 12 painéis a retratar personalidades da ordem religiosa franciscana, entre elas a fundadora do convento, Justa Rodrigues Pereira, e um cadeiral.

Toda esta complexa realização implicou medidas extremamente delicadas e minuciosas. As peças foram retiradas em transporte especializado e trabalhadas num armazém na cidade, convertido para o efeito.

A restauração do Coro Alto faz parte da segunda fase de intervenções no Convento de Jesus, uma operação liderada pela autarquia e que esteve ainda centrada nas alas Este e Norte do monumento nacional, assim como no Claustro e na Igreja.