Guia de Eventos de Setúbal

A sua pesquisa não obteve nenhum resultado
compasso Sobre a música e a liberdade março 2020

Há um ano atrás o Festival de Música de Setúbal trouxe à ordem do dia alguns dos mais inquietantes contributos a que assisti sobre a forma como a música pode ser um exercício de liberdade. Falou-se de condição mental, doenças degenerativas, integração e dignidade. E dois dos relatos que mais me impressionaram relacionavam a música com contextos particularmente severos: prisões e zonas de ...

compasso Dança ou desporto? janeiro 2020

Breaking ou Breakin é a junção de vários estilos de dança, com movimentos acrobáticos originários nos meados dos anos 70, no Bronx (U.S.A.), por alguém que se identifica e vive a cultura Hip Hop. São designados por B-Boy / B-Girl ou breakers. O termo Breakdance, foi criado comummente pelos Média, a partir dos anos 80, não sendo o termo correto, mas sim Breaking ou Breakin. O Comité Olímpico ...

compasso Raízes novembro 2019

Parti de Portugal em 1977 à procura do meu futuro que fui encontrando em vários locais. Primeiro em Portugal com Berta da Nóbrega (minha avó materna) e Campos Coelho, depois em Portugal e Estados Unidos da América com Sequeira Costa, breve passagem por Portugal com Jorge Moyano e França com Aldo Ciccolini, Géry Moutier e Bruno Rigutto. Depois de duas décadas nos EUA, foi altura de me mudar para Inglaterra onde vivi até 2017. ...

compasso O Manel Bola setembro 2019

Um dia, há poucos anos, confidenciou-me que tinha dezoito anos. Na verdade tinha dezoito anos, o seu corpo é que não conseguia acompanhar a ousadia. Dizia-me que usava bengala porque lhe dava mais estilo. Olhava-se com ironia e ria de si próprio. O Manel sabia rir. Tinha a resposta sempre na ponta da língua. Língua afiada como uma espada e elegância na esgrima. Fosse qual fosse o tema ou tom da conversa, havia sempre ternura nos olhos e um ...

compasso A Cantadeira maio 2019

Sempre admirei aquelas pessoas que, desde cedo, sabiam o que queriam da vida. Que desde novas encaminharam as suas decisões com um objectivo muito claro. Eu nunca fui uma dessas pessoas. Nunca soube, de caras, o que queria ser quando fosse grande. Acredito na paixão e fui-me apaixonando por muitas coisas diferentes, experimentando e desistindo, desinteressando-me e descobrindo novas inspirações. Fui-me perdendo na tentativa de me enquadrar, de ser aceite, na ...